Governo quer instalar escolas militares no Brasil; em Passo Fundo, Colégio Tiradentes é exemplo

Nesta semana o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto organizando a estrutura do novo Ministério da Educação (MEC). O texto diz que um dos objetivos é promover e propor a adesão de escolas municipais e estaduais ao modelo “cívico-militar”. O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodrígues, afirmou que o MEC teria uma secretaria para cuidar do desenvolvimento deste tipo de modelo de gestão e ensino.

Em entrevista na Uirapuru, o tenente-coronel André Idalmir Favian Giuliani, que foi o primeiro comandante do Colégio Tiradentes da Brigada Militar de Passo Fundo, explicou que esse método de ensino passa pela vontade do jovem de frequentar uma escola diferente. Giuliani destacou que as escolas militares possui uma disciplina, horários regrados, respeito e um sistema de hierarquias. O estudante é instruído a crescer dentro da instituição através da meritocracia.

O tenente-coronel informou que não são todos os adolescentes que estão aptos a frequentar colégio cívico-militar, pois existe uma série de avaliações físicas para que eles possam praticar atividades esportivas e participar de competições. Outro diferencial dessas instituições em relação às demais é o fato de alguns valores do passado que estão esquecidos como o patriotismo, o civismo e o respeito com os professores serem colocados em prática diariamente.

Na avaliação de Giuliani, o aluno que passa pelo ensino militar está melhor preparado para seguir com seus estudos e buscar os objetivos.

Fonte: Rádio Uirapuru